Aprendendo sobre Material Design

Aprendendo sobre Material Design

Você sabe do que estamos falando? Não? Pois bem, Material design nada mais é do que um ambiente bidimensional que simula de forma tridimensional a tríade: luz, material e sombras. A linguagem, do Google, é usada na programação de aplicativos mobile sintetizando o design com a inovação, unificando o visual com as páginas de internet e padronizando em todas as plataformas. É o visual, por exemplo, do Google Calendar e do Gmail.

Resumimos a seguir os objetivos e princípios para entendermos um pouco sobre essa tendência no webdesign.

Objetivos

Criar uma linguagem visual que combine os princípios clássicos de um bom design com inovação e possibilidades da tecnologia e da ciência.

Desenvolver um único sistema subjacente que permita uma experiência unificada em diversas plataformas e aparelhos. Os preceitos móveis são fundamentais, mas toque, voz, mouse e teclado são todos métodos de inserção de primeira classe.

Princípios

Material é a metáfora

Uma metáfora material é uma teoria unificadora de um espaço contido e um sistema de movimento. O material é fundado na realidade tátil, inspirada pelo estudo de papel e tinta, porém tecnologicamente avançada e aberta à imaginação e magia.

O uso de atributos táticos familiares ajudam os usuários a rapidamente entender o affordance. E a flexibilidade do material cria novas possibilidades que superam aquelas do mundo físico sem quebrar as regras da Física.

Os princípios da luz, superfície e movimento são essenciais para transmitir como os objetos se movimentam, interagem e existem no espaço e em relação aos outros. Luzes realistas mostram encontros, dividem espaço e indicam partes que se movimentam.

Ousado, gráfico e intencional

Os elementos fundamentais de design baseado em impressão – tipografia, grades, espaço, escala, cor e o uso da imagem – guiam tratamentos visuais. Esses elementos fazem mais do que os olhos podem ver: eles criam hierarquia, significado e foco. Escolhas deliberadas de cor, imagens de ótima qualidade, tipografia de grande escala e espaços brancos propositais criam uma interface ousada e gráfica que possibilitam uma imersão do usuário na experiência. Uma ênfase nas ações do usuário fazem da funcionalidade principal imediatamente aparente e dá coordenadas para o usuário.

Movimento permite significado

O movimento respeita e ressalta o usuário como o principal movimentador. As ações primárias do usuário são norteadores para iniciar o movimento, transformando todo o design. Toda a ação acontece em um único ambiente, objetos são apresentados ao usuário sem quebrar a continuidade da experiência mesmo que ela se transforme e se reorganize. O movimento é significativo e apropriado, servindo para atrair a atenção e manter essa continuidade. O retorno é sutil, mas claro, e as transições são eficientes e coerentes.

Essa introdução pretende apenas mostrar o que é e como funciona a teoria do Material Design, mas você pode se aprofundar mais no assunto neste site, ou ainda com o livro recém lançado pela Novatec Editora.

Aprendendo Material Design

O livro Aprendendo Material Design, do programador Kyle Mew, ensina os fundamentos teóricos da linguagem Material Design usando amostras de código para colocar a teoria em prática. O leitor pode aprender sobre os conceitos para criar interfaces coloridas, iluminadas e animadas de forma simples, proporcionando uma navegação intuitiva para o usuário.

Comentários

comments

Compartilhe

Sobre o autor

Danilo Cava é turismólogo (isso existe?), mas comunicólogo de profissão e coração. Brincalhão, nerd, organizado, gosta de videogames, cozinhar e ler. Viciado em arte, cinema e design é especialista em acompanhar séries no Netflix.

Veja todos os artigos deDanilo Cava