Porque os criativos devem assistir Stranger Things (Spoilers Alert)

strangerthingsgif.0

Uma tela preta granulada, indicando claramente que a gravação poderia ter mais de 25 anos, serve de fundo para uma animação de neon vermelho meio apagado. A trilha sonora de suspense também indica fortes referências aos anos 80 e a forma como a cena segue, com os detalhes desse letreiro se formando, nos remete a uma época em que terror se fazia com elementos básicos: fotografia, trilha sonora e edição. Quando o casting termina, a abertura de Stranger Things, fruto do trabalho dos diretores e irmãos Matt e Ross Duffer para a Netflix, nos revela uma série que todo criativo deve assistir.

Listamos algumas razões pelas quais acreditamos que deveriam assistir à série e aproveitar essa diversão para aprender e ampliar seu repertório criativo, mas antes de tudo, vamos dar um play na playlist abaixo e curtir a trilha sonora, que é uma das qualidades dessa produção

giphy
 

Referências Cinematográficas

Seja na trilha sonora, easter eggs com referências dos anos 80 e outros detalhes, ou nas próprias gravações das cenas, a série é um prato cheio para aumentar o seu repertório, principalmente com os filmes da época.

Em todos os 8 episódios da primeira temporada (a segunda temporada acabou de ser confirmada, mas ainda não começaram as gravações) você consegue observar que a inspiração para as cenas vieram de filmes de suspense e terror clássicos das décadas de 1970 e 1980. Se você não conhece todos eles é uma boa hora para aumentar sua lista de filmes para assistir. Confira no vídeo abaixo as principais referências:

Uma referência bem marcante foi a forma como Will se comunica com sua mãe, uma forte referência ao excelente filme “Contatos Imediatos do Terceiro Grau”, que acabou virando meme nas redes sociais:
giphy

Alguns outros filmes são mostrados em objetos de cena, como os cartazes de “Evil Dead” e “The Thing”, que aparecem como decoração no quarto de alguns personagens. Aliás, este segundo aparece sendo assistido pelo professor dos garotos em uma das cenas e ele até explica como foram feitos os efeitos especiais do filme (AMAMOS ISSO!!)

evildead

the-thing-carpenter-post

Aliás, pôsteres pintados eram o “must” da época e o grande mago dessa arte nos anos 80 foi Drew Struzan, que dentre outros, pintou as peças de “Os Goonies”, “Blade Runner”, “Star Wars”, “De volta para o futuro” e até a saga “Indiana Jones”. Esse estilo foi resgatado também em forma de pôster, feito especialmente para a série.
stranger-things

Gosta de pôsteres? Você pode baixar algumas reproduções em HD para pendurar em sua casa, clicando aqui.

Trilha Sonora

Você já deve estar curtindo a trilha sonora, mas até mesmo as músicas de fundo, fazem o espectador voltar ao passado. A escolha de canções como Should I stay or should I go, da banda de rock The Clash, quase nos faz pensar se não foi até proposital para o desenvolvimento da trama, pois se encaixa perfeitamente! Abaixo imagem da fita que é entregue à personagem Will, que dá o tom da série.

 

13707655_1382258265123232_2793061384141787208_n

 

Figurino e Cenografia

O figurino e a cenografia não poderiam ser mais fiéis. Cartazes nos quartos dos adolescentes, a maneira de se vestir, os brinquedos e objetos diversos (telefone, walkie talkie, bicicletas, rádios) usados refletem o roteiro bem amarrado. Eles fazem a diferença na percepção da história, então atente-se a esses detalhes quando assistir.

Stranger Things

20172405

Stranger Things

Roteiro

E falando em contar história, o suspense com pitadas de humor de Stranger Things nos faz criar expectativas e teorias até o final do último episódio.

tumblr_oawcghfsXv1qmkxfco1_1280

Porém o que é mais interessante para os criativos é a forma como tudo se desenrola. Além das referências citadas acima, os também roteiristas irmãos Duffer desenvolvem uma ficção plausível, sem pontas soltas, e que demonstram a atenção a detalhes, como o jogo de RPG Dungeons & Dragons, que além de ser, novamente, uma inspiração de 30 anos atrás é uma peça chave para entender a história. O uso desses elementos com a atuação e textos dos atores colaboram para querermos saber mais sobre o desfecho e, ainda mais, sobre aquele universo todo.
Stranger Things

 

Cinematografia

A fotografia faz toda a diferença na série. Reparem nas cenas de flashback, nas cenas à noite, e até mesmo nas próprias fotografias tiradas pelo personagem Johnathan. O granulado, a luz mais amarela durante à noite, a claridade exagerada da lua na floresta. Imagine-se voltando no tempo: essa é a sensação que a direção de arte deixa no espectador. As imagens em alta definição auxiliam ainda mais nessa viagem.

stranger-things

Aproveitem para observar as diferenças entre as cenas e reparar nesses e em outros aspectos que chamem sua atenção para a atmosfera de suspense e passado da obra. Com destaque para a sutil e eficiente manipulação de saturação entre os universos paralelos.
Stranger Things

 

Construção de personagens

5436270.jpg-r_x_600-f_jpg-q_x-xxyxx

A seguir destacamos duas personagens que merecem atenção no desenvolvimento de seus papéis.

Winona Rider estreia na televisão e traz consigo a experiência de uma carreira de sucesso no cinema. Sua personagem é diferente de tudo o que ela já fez e, apesar de parecer apenas um longo filme, a dinâmica de uma série é outra. As cenas mais curtas fazem daquele momento mais significativo e vivo, e com a personagem Joyce, mãe do desaparecido Will, não vimos outra coisa senão isso: intensidade.

Importante também é a personagem principal, Eleven, vivida por Millie Bobby Brown – atriz mirim que ainda vai dar o que falar -, construída (e até mesmo desconstruída durante o decorrer da trama) em volta de suas peculiaridades.

Só não falo mais para não dar muito spoiler, mas a atuação impecável da atriz só contribui para sua história. Aliás, deixo uma reflexão: qual será a história real dela?

E então? Ficou curioso para assistir a série? Com certeza você observará ainda mais aspectos para melhorar seu repertório criativo, se isso acontecer, conte pra gente nos comentários. Boa pipoca e uma boa golada inspiradora!

Autoria: Danilo Cava
Colaboração: Domenico Justo

Comentários

comments

Compartilhe

Sobre o autor

Danilo Cava é turismólogo (isso existe?), mas comunicólogo de profissão e coração. Brincalhão, nerd, organizado, gosta de videogames, cozinhar e ler. Viciado em arte, cinema e design é especialista em acompanhar séries no Netflix.

Veja todos os artigos deDanilo Cava