Um bom Designer Gráfico já inicia um projeto pensando no fechamento final dele

Um dos grandes desafios de um Designer Gráfico em sua vida profissional é o fechamento de arquivos. Parece uma coisa simples tanto que muitas vezes os clientes e atendimentos das agências acham que é simplesmente fazer um PDF, nananinanão! Fechamento é coisa séria e leva tempo, pois se não for feito direito podem acontecer vários problemas, também não adianta pensar que é obrigação só do Produtor Gráfico, pois é uma coisa a ser pensada desde o início do projeto, poupando tempo e trabalho.
producao_grafica
O primeiro grande passo é saber como o material impresso será produzido, o método de impressão (digital, rotoscopia, offset, serigrafia, …), o suporte (papel, lona, pvc, …), mídia (externa, interna, jornal, outdoor, …) toda informação é importante por conter características importantes e problemas específicos. Ex. Se o material será impresso em jornal, precisamos compensar o ganho de ponto ocasionado pela alta absorsão do papel, que faz a tinta “abrir”, por isso é proibido letras muito finas em negativo.
Minha função aqui é informar e ajudar, não é ensinar produção, então, seguem abaixo algumas dicas do que se atentar quando for fechar um arquivo para impressão.

IMAGENS

rgb-vs-cmyk
Duas coisas são muito importantes quando temos imagens para serem impressas. A primeira é a qualidade, a grande maioria dos métodos exigem pelo menos 300 dpi (dots per inch – pontos por polegada) de resolução.
A segunda é que todo material impresso, usa o padrão cromático CMYK (abreviação de Ciano, Magenta, Amarelo e Preto), isso quer dizer que ele imprime 4 cores (quadricromia) para obter todas, portanto, não adianta a imagem estar em RGB (abreviação de vermelho, verde e azul), a maquina não vai entender e vai dividir as cores de forma errada, o resultado é uma imagem com cores distorcidas.

SANGRIA

sangria
Quando uma imagem ou grafismo ultrapassa a borda da página, precisamos fazer uma sangria, que é prolongar estes elementos para até 5 mm fora da arte. Mas por que? Uma gráfica não corta página por página, levaria um tempo absurdo, por isso as folhas são cortadas em blocos, nesta hora algumas folhas podem estar fora de esquadro ou correrem, ocasionando um corte fora da área prevista. Para evitar ter uma borda branca, sem arte, devemos sangrá-la, é tipo uma margem externa de segurança.

OVERPRINT

knockout-example
O preto é sempre a última cor a ser impressa, pois preto sobre qualquer outra cor dará praticamente preto. Portanto atente para duas coisas: fontes e chapados em preto.
Todo texto preto deverá ser apenas 100% preto. Se for menos será cinza, a máquina vai criar uma retícula, tirando a leitura da fonte para produzir o cinza. Não deve ser feito com porcentagem de outra cor pois com isso, a fonte sera recortada em todas as cores e para bater certinho uma em cima da outra é quase impossível, por isso também devemos dar um overprint no texto, evitando que seja recortado mesmo que seja só preto, ele será impresso por último, por cima das outras cores.
Nos chapados o problema é outro, se fizer overprint e não tiver outra cor embaixo, o risco é ter um chapado todo manchado, disforme. O ideal é calçar este preto com outra cor, que é colocar até 50% de outra cor junto, muita gente coloca 50% de Ciano, outros 30% das outras 3 cores. O resultado é um chapado mais vivo e uniforme.

VERNIZ E CORES ESPECIAIS

cmyk-vs-spot

O cliente exigiu que o vermelho dele seja um determinado Pantone? Que tenha prateado no impresso? Ou então um verniz reserva só em cima da marca? Pois é, vai precisar fazer uma lâmina a parte se o programa que vc criou não tiver cor Spot, se tiver ele cria uma quinta chapa de cor especial, senão, faça uma página a parte com as mesmas características das outras, mas contendo somente em preto onde a cor ou verniz será aplicado.
Isso tudo é só a ponta do iceberg, pois como já falei, depende de outros fatores, por isso é muito importante estudar tudo o que puder em design gráfico e processos de impressão, para evitar problemas.

Comentários

comments

Compartilhe

Sobre o autor

Designer apaixonado pelo que faz, fundador e editor do DESIGN on the ROCKS. Brasileiro, natural de Jacareí - SP. Atualmente trabalha como Freelancer de gráfico e produto.

Veja todos os artigos deDomenico Justo

1 comentário

  1. Paulo Azevedo

    Esta é apenas uma das etapas depois de desenvolver um projeto. É fundamental este conhecimento técnico, porém ele sozinho não garante absolutamente nada. O profissional Designer Gráfico deve proporcionar ao cliente um crescimento mais amplo possível para que este cliente alcance de forma completa o sucesso tão almejado. Questiono o seguinte: porque somos considerados tão importantes e ainda não conseguimos a regulamentação profissional? Abração e parabéns pelas postagens que sempre acompanho com muita atenção.

Comentários desabilitados.